Perseguição política com ex-candidata, professora do município de Magé, gera conflitos

Rita Romão comunica ao ministério público sobre atraso no 13°

Por Shallana Cardozo 23/02/2017 - 17:21 hs
Foto: DIVULGAÇÃO / FACEBOOK
Perseguição política com ex-candidata, professora do município de Magé, gera conflitos
Ex-candidata a vereadora de município de Magé sofre perseguição política da oposição

 

 

RIO - NDM ONLINE - Demissões de funcionários contratados e salários atrasados já se tornaram comuns na prefeitura de Magé, de acordo com fontes seguras e vítimas do fato. Após a troca de gestão para o partido (PPS), Rafael Tubarão passou a ter o seu nome envolvido em diversos casos, inclusive perseguição política com a ex- candidata a vereadora do município, Rita Romão, que nas eleições disputou o cargo pelo (PR) ao lado do deputado Renato Cozzolino, candidato para o cargo de prefeito.

Professora concursada pelo município, Rita Romão comunicou ao ministério público sobre o caso e acrescentou que o fato acontece por meio de oposição política, após apoiar o deputado estadual Renato Cozzolino, de forma que interferiram na sua localidade de trabalho, hoje suas aulas são realizadas em outra escola; o salário que levou meses para receber foi ressarcido após um processo administrativo e o 13° que em dezembro deveria receber de forma integral, está atualmente com um atraso de 9 meses – de janeiro até setembro.

“Estou sofrendo perseguição política há algum tempo, mas mexer com o salário do funcionário é covardia”, desabafa Rita com o NDM Online.

De forma inicial, ao tentar dar entrada no Ministério Público (MP), a informaram que não seria possível, pois era a única que não havia recebido e seria preciso que mais educadoras estivessem com a mesma situação para que fosse realizada uma tutela coletiva. “A entrada na justiça é para que providências sejam tomadas. É injusto me tirarem o salário, que creio ser mérito meu”.

Rita Romão, diz que pretende se candidatar novamente, informa que as perseguições ocorrem desde o governo de Nestor Vidal e que o atual prefeito de Magé, Rafael Tubarão, deu continuidade por motivos de oposição.

“Hoje, continuo trabalhando porque ele não pode me mandar embora, pois sou concursada, se fosse contrato já estaria desempregada a muito tempo, assim como está acontecendo com muitas pessoas, até mesmo com quem o apoiou na candidatura. Depois de servido ele não se importa mais e joga as pessoas fora como se fossem descartáveis e não precisassem mais de emprego. Faz parte do jogo sujo da política”, finaliza a professora.

REPORTAGEM SHALLANA CARDZO / REDAÇÃO NDM ONLINE

Curta nossa pagina no Facebook e receba nossas notícias em seu Feed. 








Deixe seu Comentário